29.6.12

E enquanto esperamos..


Eis que os dias de calor se sentem.. Bem, mesmo bem, é estar à sombra, beber coisas fresquinhas e respirar a aragem fresca que o fim de uma tarde de verão nos oferece. O resto, o tempo, as preocupações, ficam para outra altura.

Sem novidades do interior.

Dom Manuel está bem instalado. Não será na próxima semana, provavelmente.. mas se até dia 12 não estiver cá fora, a doutora dá um jeitinho. E assim desespera uma grávida.

28.6.12

Ai os nervos, os nervos..

Depois de quase ir tendo o miúdo no sofá da sala, de quase me darem cinco AVC's e dois ataques cardíacos, eis que as minhas selecções do coração acabaram por concluir o jogo. Portugal, que sempre será a preferida, jogou que se fartou, muito superior à Espanha.. mas a injustiça de um jogo resolvido a penalties é muito dura. Agora, só me resta continuar a torcer para que a Espanha bise o título e mande os merkelzinhos para casa (caso levem a melhor sobre a Itália hoje). Por falar no jogo de hoje, já vos disse que sou da Itália* desde pequenina? :)

*o padrinho do herdeiro é italiano, portanto..

27.6.12

Como não posso comer morangos, vingo-me na melância


Ainda por aqui ando..

Sem novidades de maior para vos dar. A não ser que continuo a crescer para a frente - imenso! - e que já durmo na posição semi-sentada, ou tento dormir, e que ando tão chata, mas tão chata que quem fizer o favor de me aturar é santo. Os dias não passam por aqui, é a sensação que eu tenho. Parece que o relógio parou no tempo. E eu só quero que estes dias passem rápido.. está tudo pronto para receber o herdeiro, sim?

23.6.12

♥ music.

dance. Dance!

parece que chegou para ficar.

Aqui, ainda não eram bem dez da manhã e já deviam estar para aí uns 30 graus. Não se aguenta. Não corria uma brisa que seja, para refrescar a pele. Deve-se estar tão bem na praia.. E eu, em estado 'lontra, mais lontra não há' (entenda-se no tamanho e vagareza, porque estar de molho - not!), suspiro e praguejo contra este calor imenso, este verão que parece que chegou para ficar. Daqui por uns dias, isto passa-me e vou agradecer ter as noites quentes para poder (de vez em quando) passear o piolho e a mana. Mas por enquanto, estou aqui a destilar veneno e inveja de todos quantos estão de toalha estendida na praia ou numa piscina. De molho, literalmente.

21.6.12

=)

Não há expressão que defina melhor como me sinto. Sobre mim, paira uma nuvem muito zen, que mistura as horas e os minutos e os segundos em muita paz e tranquilidade. Parece que fumei qualquer coisa muito forte, que me deixa assim, num estado don't worry, be happy, numa onda muito Marley. Serena. Estranhamente calma. No dia em que cair em mim e o nervosismo falar mais alto, não haverá ninguém que me aguente. E isto, digo-vos eu, que me conheço de ginjeira.



Normalmente, a intuição não me falha.

Disse a médica que não chego às 40 semanas. Que antes disso, o pequeno está cá fora. Encaixado como deve de ser, a crescer (ainda bem!), está preparado para nascer. Uma ou outra contracção de vez em quando, embora ainda nada de preocupante.. o que é certo é que, provavelmente, dentro de duas semanas (por volta das 38 semanas), o herdeiro virá ao mundo conhecer os papás e a mana. Não caibo em mim, acreditem.

19.6.12

sweet sounds of me

You love me

Era mais ou menos isto.


Pés de molho, refrescar-me, esquecer-me por uns momentos dos problemas e preocupações. E ganhar ânimo para recomeçar. (pelo menos nestes últimos dias de descanso que me esperam..)

A mãe nos finalmentes.. a filha adoece.

É sempre (ou quase sempre) assim. Por mais que tentemos idealizar uma situação, planear as coisas, organizar detalhes, convém que contemos sempre com os chamados imprevistos. Senão, estamos bem lixadas. E frustradas! Vi e revi esta semana como uma louca, contei dias, organizei consultas e afazeres, preparei roupa, casa, detalhes. Até fomos falar com a professora dela, que esta seria a ultima semana, porque nunca se sabe se o herdeiro resolve aparecer antes do tempo e não temos ninguém com quem a deixar. Optamos por deixá-la ir com os avós de férias. E agora, aparece-me uma garganta inflamada, uma tosse que não foi para aqui chamada e febre! Se isto não se compõe até ao final da semana, não deixo a minha menina ir, porque as lambidelas da mãe fazem sarar mais depressa.. e quero-a fina (finíssima!), para quando o mano chegar.

17.6.12

so good. =)

E hoje é dia (outra vez)

De ir sofrer mais um bocadinho, com aqueles onze atrás de uma bola. Que esperemos que entre vezes sem conta na baliza dos holandeses. Sofrer, sofrer.. quem me havia de dizer que eu, de dois em dois anos, ando a sofrer pelo futebol?

Bom domingo! Está calor!



16.6.12

Sobre as máscaras.


Todas acabam por cair. Todas. Mas, não se iludam. Aqui nesta esfera onde nicknames e alcunhas e coisas do género imperam, as máscaras podem nunca cair. E quem segue, tal e qual uma ovelhinha mansa e pacata (já diziam no filme do Babe, que as ovelhas são o animal mais estúpido do planeta, a par das galinhas, claro) os lindos e pomposos textos, as ideologias surreais de determinadas personagens, só pode mesmo estar apaixonado por um romance de quiosque, bem à moda dos Harlequin. Mas cada um sabe aquilo que lê, que segue, que acredita.
Aqui no meu canto, vive-se uma vida, que eu partilho quando quero e sobre o que quero. Não é tudo cor-de-rosa e azul, não corre sempre tudo como eu espero e quero, há lágrimas e tristezas e fracassos. Porque a minha vida é real, não é uma peça de teatro que eu escrevo a meu belo prazer. E enquanto eu tiver todo o discernimento e toda a capacidade de pensar e agir, assim será. Foi a minha opção.
Contudo, acho imensa piada a quem tentar passar a imagem de que a sua vida é perfeita, com a sua máscara subtilmente colocada, sem correr o risco de que se saiba que caiu, porque, na realidade, não é possível adivinharmos quem está por detrás de tão bonito adereço. Acho particularmente piada porque, geralmente, são essas as pessoas - as ilustres mascaradas das vidas perfeitas - que se gabam de serem pessoas idóneas, justas e as mais capazes de melhor falar sobre a vida. Já que todas as outras, não são, genuínas. Verdadeiras. Oh! Santa paciência..

15.6.12

Está tanto calor..

E eu queria tanto estar de molho. Numa praia, numa piscina, tanto faz. Queria mesmo estar de papo para o ar, de molho, com um olho na pequena e outro num livro ou revista qualquer. Numa espreguiçadeira almofadada, à sombra de uma árvore, por exemplo. Com uma bebida fresquinha e música de fundo. Almoçar ao sabor das ondas, um peixe grelhado e uma saladinha fresca.. Era tão bom. E era tão bom que algum dos meus bikinis me servisse..

14.6.12

Quer-me parecer que..

.. a chegada do herdeiro estará para mais breve do que imagino. Ou são tudo macaquinhos na minha cabeça ou esta intuição de quem conhece muito bem o seu corpo (e conheço mesmo!) não tarda em dar notícias. Quer-me parecer que isto não chega às quarenta semanas.

13.6.12

E assim, de repente..


.. falta tão pouco, que assusta. Mood: feliz até à ponta dos cabelos e ansiosa até às pontas dos dedos dos pés.

Ia-me dando uma coisinha má.

Já estava quase a desistir da nossa selecção. Já tinha mandado uma mensagem ao amor da vida, que estava no trabalho (a roer as unhas pelos onze), a dizer-lhe que até eu, gravidérrima, marcava aquele golo que o Ronaldo não marcou. Já tinha (confesso) perdido a esperança e dizia para comigo, que domingo faziam as malas e vinham de férias para o Algarve. Quando, sabe-se lá de onde, aparece o Varela e marca aquele golo. Ai Jasus Cristo, nossa senhora e os pastorinhos.. ia-me dando uma coisinha má, sozinha com a pequena em casa. Quase três horas depois, já me recompus. Mas, que uma pessoa sofre, sofre mesmo..

15 anos.

Hoje, eu e o amor da vida, fazemos quinze anos de vida em comum. De amor e paixão. De tantas coisas boas e algumas más, mas sempre juntos. É muito ano. 

10.6.12

O nosso amor é de papel como as flores que me deste, e no papel há-de ficar, para sempre escrito nas minhas palavras. E se vier a transformar-se em qualquer outra coisa, será sempre numa outra forma de amor: o papel vem das árvores, mas o amor vem do amor e nunca morre, mesmo depois de cortado, prensado e transformado. Amar é como plantar uma semente e tu já plantaste a tua no meu coração.

Margarida Rebelo Pinto


sweet sounds of me..

velhinha, mas tão boa.

bad night..


Tive uma noite terrível. Insónia, calor, dor nas pernas, nas costas, sem posição para dormir, comichões, sede, mais dores e dores. Eram quase cinco da manhã quando adormeci por exaustão. Eram seis e pouco quando voltei a acordar, cheia de dores nas costas. Sei que da outra vez, o calor e o inchaço eram os meus piores inimigos. Passei o mês de Agosto e o de Setembro a rezar para que passasse depressa. Desta vez são as malditas dores no corpo que não me deixam descansar. E ainda por cima, do pouco que dormi, lembro-me de ter um sonho agitado, do qual só tenho flashbacks nada agradáveis.. Acho que hoje vou andar em modo zombie. Acho, não.. tenho a certeza.

9.6.12

E temos o petisco pronto. Venham os golos!

Fomos comprar folhados de salsicha e amendoins. No frigorífico há sempre uma geladinha para o homem da casa (já lá vão os tempos em que eu também alinhava) e ice-tea de manga e limão para as meninas. À hora do jogo, vamos sentar-nos no sofá, a pequena vai pintar a cara com as cores da nação (daquelas diarreias mentais que se me dão quando vejo coisas baratas à venda no Lidl) e ainda anda por cá a vuvuzela. Depois emocionamos-nos sempre com o hino. E depois, é só esperar que aqueles meninos dos lamborghinis se portem bem e à altura. E que marquem golos. Muitos. Ou pelo menos os necessários para ganhar. Que uma grávida não pode sofrer de ansiedade por causa de um jogo de futebol.

Olá Sábado!

Hoje não vou fazer limpezas, só porque não me apetece. Hoje vou dedicar-me a uma tarefa muito mais complicada para mim. Vou tentar fazer a pedicure. O que, com esta barriga, é um caso sério.

8.6.12

so true.


Obrigada às meninas pelos selos!

Assim que o tempo permitir, prometo responder aos desafios! Obrigada!!

7.6.12

Feriado à quinta, ponte na certa.

Estou enganada? Ou a austeridade é sempre para os do costume? A crise já chegou a todo o lado ou só a arraia miúda é que se sente?

confesso que estou baralhada

Há duas semanas atrás, um médico diz-me que o gaiato tem um determinado peso estimado; a médica do costume, passadas estas duas semanas, vem dizer que afinal o gaiato tem menos peso. No entanto, diz que está tudo bem. Fiquei deveras confusa. Quando lhe perguntei o que se passava, responde-me que a máquina do outro médico dá sempre uma diferença de 200gr. Ficou a parecer-me que o miúdo emagreceu! Mães que costumam ler isto, já vos aconteceu o mesmo? Sabem de alguma história parecida? Com a minha primeira não se passou nada disto, até porque fiz sempre as ecos com o mesmo médico.

Bom dia! ☼


Nada como começar o dia com muita energia. É pena que isto seja só um desabafo, porque a energia deixei-a na cama, embrulhada nos lençóis. Tenho tanta, mas tanta preguiça, movimento-me tão devagar, que faço inveja a qualquer tartaruga. Valha-me a energia da pequena, que mal salta da cama, põe-se logo a correr e aos saltos, benzádeus!

6.6.12

isto faz o meu estilo


sweet sounds of me.

Já que estou com um pé na estrada, não vou mais voltar. So goood.

Quem gosta de maionese?

Ela é pequenina neste mundo da blogosfera. Começou a dar os primeiros passos. E é das minhas melhores amigas mas que, infelizmente, está longe. Espreitem lá o cantinho dela. O blogue da maionese.

coffee, please.


Eu já não ando, arrasto-me. Se pudesse, enfiava uns três ou quatro de seguida. De-ses-pe-ra-da.

Olhem lá que coincidência!

Levanto-me eu da cama ainda de madrugada e arranco a pequena do seu sono de beleza, enfiamos o pequeno-almoço à pressa, corremos até ao carro e quando chegamos à porta da escola, Surpresa!.. é dia de greve. Daquelas não anunciadas, daquelas que só se sabem no próprio dia, à porta da escola, com os pais todos encafuados, que mais parecemos formigas tontas. Daquelas greves que nos deixam a pensar: bolas, amanhã é feriado! Que coincidência!

ontem..

Não foi um dia bom. Também não foi mau, mas não foi um dos meus dias. Já nem sei se são as malditas hormonas, se é a ansiedade. Tenho uma angústia em mim, que qualquer coisa me faz rebentar num mar de lágrimas. Detesto ser mal interpretada, detesto ser mal entendida, detesto que não se consigam colocar na minha posição quando é o que eu faço pelos outros, constantemente. São quase uma da manhã e nem sono tenho, tal não é a neura que trago comigo. Queria ter uma borracha daquelas que apaga o tempo, esquecer que este dia existiu, que estas lágrimas foram derramadas pelos motivos mais estúpidos. Definitivamente: esquecer que esta fui eu, neste dia que passou.

4.6.12

É impressão minha ou ir à Zara Home é para ricos?

É que dar vinte euros por um ambientador para a casa, desculpem lá, mas não é para todas as carteiras.

{saudade} da boa vida.


true.


E mais uma semana começa.

Isto mais parece um ciclo vicioso. De há oito meses e picos para cá, a minha rotina pouco ou nada mudou. Cada segunda marca o inicio de mais uma semana, de mais uns dias que se querem leves e fáceis de passar. Esta semana não é excepção. Sem querer tornar-me repetitiva, cada dia que passa é como um ano. A expectativa e a ansiedade de que os dias passem rápido apoderou-se de mim. Está em modo lapa na minha pele e em modo loop na minha mente. Acordo a contar os dias, deito-me a contar os dias, vou muitas vezes ao calendário contar os dias.. já nem sei se me faz bem ou mal, se é normal ou patetice. Tudo fruto de quem já vai tendo muito pouco que fazer (ou capacidade física para isso).

3.6.12

e para a sobremesa..




Aqui a lambona juntou o prazer do açúcar e da canela a uns belos abacates, reduziu a puré e comeu à colherada. Isto tem os dias contados, porque por enquanto, tenho o pequeno lambão dentro de mim que alinha nestas coisas. Mas quando ele sair cá para fora, volta tudo ao que era de antes. Óh se volta!

sweet sounds of me

como cocaína.. siempre me quedará esta melodia, para ouvir vezes sem fim.

olá preguiça.

Este fim de semana não temos o nosso homem em casa. O trabalho fala mais alto. De qualquer maneira, nada nos impede de fazermos coisas juntas. Hoje, por exemplo, levantámos o rabo da cama, já batiam os ponteiros nas dez e meia da manhã. Depois do pequeno-almoço (demorado, que a pequena é uma pequena lesma a mastigar), lá fomos até à rua, apanhar ar, sol e fomos até ao senhor das revistas. Gentilmente cravada para mais uma revista do Ruca, lá viemos para casa. Horas de fazer o almoço, de ir pondo algumas coisas no lugar enquanto ainda tenho forças para me ir mexendo. Bom dia, preguiça. Bom domingo, minha gente!

2.6.12


Quem me conhece sabe que eu sou muito prática. Pão-pão, queijo-queijo. Das poucas vezes que me permiti a sonhar mais alto, caí de redondo no chão. A queda foi grande, o chão é duro e cá em baixo, na terra, não se está tão bem como nas nuvens. Mas um novo ciclo se inicia. Hoje permito-me a sonhar um bocadinho, pouco a pouco de cada vez, quase a conta-gotas. Porque não podemos viver de sonhos, mas são eles que comandam a nossa vida. E quer queira, quer não, teimosa que sou em alcançar a minha felicidade, não posso negar que de pequenos sonhos se conseguem os grandes. Que esta vida não está para fracos, tristes e sem alento.

Acabadinha de sair da boca da minha pequena.

São daquelas coisas que eu nem sei onde é que ela vai buscar..

há seis anos atrás, vi na televisão.

Assisti em directo aos concertos da Shakira e dos Guns. Estou a falar do Rock in Rio, claro. Nessa altura, estava também já com uma proeminente barriga. Talvez fossem dos concertos em portugal que mais pena me faziam não poder assistir. Desta vez, foram os Maroon 5. Assisti no sofá, gravemente grávida.. e com muita pena de não assistir ao vivo. O que eu me ia divertir. As razões que me levaram a não assistir ao vivo, repetem-se! Tenho pontaria para estas coisas! E o puto saltava na minha barriga, que mais parecia um frango aos pinotes!

os sábados da minha vida

Não sei porque é que tenho esta tendência para a fascina ao fim de semana.. A não ser que algo esteja combinado para este dia, invariavelmente acabo de pano do pó na mão e de aspirador em punho. Nesta casa não há rendimentos para empregada, logo, assumo eu o papel de Isaura. E acreditem, à segunda-feira parece que sábado de limpeza nem existiu. Devia ser inventado um sistema a vácuo que mantivesse tudo incrivelmente limpo durante muito, muito tempo. E eu começava a passar os meus sábados de outra maneira.

1.6.12

este ano vou sentir muito a tua falta.


Mas razões mais fortes me prendem, querida praia. Tenho a certeza de que, para o ano, voltaremos a ser felizes. Este ano, infelizmente, estarei ocupada demais, com um pequeno ser, que me vai consumir todos os minutos dos dias. Mas a minha pequena adora-te. Tenho a certeza de que se vão divertir imenso as duas.

Olá Junho!

Bela maneira de começar o mês, com o dia da criança. Ontem à noite, eram onze da noite e eu ainda andava de volta do forno, por causa do bolo que fiz para levar para a festa da pequena. E com o calor que estava.. Hoje, vou buscá-la à escola e aparece com a cara toda pintada, dois balões, as calças eram azuis na zona dos joelhos, agora são cinzentas e tamanha excitação que só visto!
Olá Junho! Sê bem vindo. E passa depressa, por favor, porque estou ansiosa pelo próximo mês.