Avançar para o conteúdo principal

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado.
De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes.
 
Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu.
 
A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um ego do tamanho do Brasil. Tudo muito bem, se não fossem os erros ortográficos. Que espécie de inteligência suprema é esta que manda em mim e devia estar a repetir a quarta classe?
 
Reparo no erro e corrijo-o. O 'á' que ele tem escrito em vários sítios não existe. O acento correcto é o grave. Escreve-se 'à'. 'À'!
 
E ele que não. Que o 'á' é que está correcto. E não corrige.
Aquela criatura acabou de insultar todos os linguistas deste país. Acaba de me dizer que sempre que queremos utilizar a preposição 'a' contraída com o artigo definido 'a', devemos utilizar um acento agudo. Pior que insultar os linguistas deste país, é eu ficar com a certeza de que devia ser retirada a nacionalidade portuguesa a este gajo.
Como é que se explica a uma alface que o acento agudo só existe no 'há'? No 'há' de haver? Numa conjugação verbal? A alface não chega lá.
Eu é que estou errada. Shame on me. Deve ser por isto que não chego a lado nenhum.
 
A criatura prossegue. O erro continua lá. Ele não o corrige e, pior!, acredita que está correcto. E põe por escrito.
 
Enquanto isso, na minha mente:

Comentários

FME disse…
Nossa que biolência...
Anónimo disse…
Detesto erros ortográficos. Não posso com arrogantes que metem nojo.
C*inderela disse…
Apesar de serem facilmente distinguíveis, ainda se tolera a confusão do "há" com o "à" porque ao menos estas duas palavras existem. Uma pessoa não entende é onde vão buscar o "á". É um erro que vejo muito e por malta com ensino superior!
Gaja Maria disse…
São os "à" e os "há" que não sabem distinguir nem acentuar e os "mos" que nunca se separam das palavras mas que muita boa gente, doutora e engenheira teima que por exemplo "chega-mos" está certo... Andaram numa escola especial, só pode :)

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.