Avançar para o conteúdo principal
Este ano a fasquia está elevada. Sinto que tenho uma pressão enorme sobre mim e é bom que comece já a pôr a imaginação a funcionar. Afinal de contas, não quero deixar morrer a ilusão da pequena!
Eu explico. No ano passado, achei que era giro fazer uma surpresa à mais velha na hora de abrir os presentes. Ela tinha andado uns bons meses a desejar uns bonecos que só consegui encontrar nos Estados Unidos [tudo culpa das novas tecnologias que põem ao alcance das crianças todas as novidades!]. Eram uns peluches dos Angry Birds que, ironicamente, começaram a ser comercializados em Portugal umas semanas depois do Natal.
Como era o presente mais desejado, preparei uma espécie de caça às pistas que a levariam a eles. Ela abriu todos os que tinha debaixo da árvore e quando achava que já não tinha mais nada, sugeri-lhe que procurasse dentro da bota de natal. Encontrou o primeiro de vários envelopes que continham pistas e adivinhas (o que eu não tive de puxar pela cabeça!) para desvendar o mistério. Naquele momento, esqueceu-se um pouco da desilusão de não ter recebido o que mais tinha desejado. E, senhores!, acreditem que a verdadeira festa de Natal começou naquele momento. O entusiasmo dela era tanto que, à medida que ia desvendando as pistas e encontrando novos envelopes, a alegria era contagiante, culminando no momento em que se deparou com os Angry Birds enfiados na máquina de lavar roupa. Entre gargalhadas e pulos e lágrimas de emoção, abraços a todos, abraços aos bonecos, beijos e considerações do género «o pai natal é tão meu amigo», acho que foi dos momentos mais felizes que tivemos juntos.
Este ano, em Outubro, já ela falava do Natal. Dizia que gostava de isto ou daquilo, mas o que realmente queria era que o pai natal lhe deixasse pistas novamente. O prémio final já lhe é indiferente. O que ela quer mesmo é sentir a emoção de partir à descoberta novamente.
Por isso, jogo as cartas mais altas este ano. Tenho pena que seja o último em que ela acredita nesta magia, uma vez que, na escola, alguns colegas já vão pondo a boca no trombone. E ela também está a crescer, obviamente.
A trabalheira que vou ter para magicar um plano diferente (e tentar superar-me!) é toda culpa minha, eu sei. Eu é que me meti nisto.
Mas, garanto-vos, que não há nada que nos seja mais gratificante, que nos encha mais o coração, do que ver os nossos pequenos seres a exultar de alegria.
Dizem que o Natal é para as crianças. Sim, no fundo, o Natal é isto. Para elas e para nós. A magia é maior para as crianças, a alegria é partilhada por todos.

Comentários

Mrs. BlueBerry disse…
Eu também descobri que o Pai Natal não existia na escola por um colega meu. A professora deu-lhe nas orelhas mas a dúvida ficou cá, tanto que no próximo natal acordei a meio da noite e apanhei a minha mãe e avó a colocarem as prendas ao pé da árvore. Ainda se desculparam que estavam a arrumar os presentes deixados pelo pai natal! AHAHAH.

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.