Avançar para o conteúdo principal

Para a Miss Glitering.

(autora do blog às nove no meu blogue, que leio, mas como não sei se ela sabe da minha existência, quem a conhecer, faça o favor de lhe dar o recado! Agradecida!)

Querida,

Depois de ler isto, fiquei com uma enorme vontade de te dizer que adorei cada virgula. Porque ao ler cada palavra senti o mesmo que sentiria se escrevesse para a minha filha. A verdade é que partilhava alguns dos 'desprazeres' que o crescimento de uma criança pode trazer ao coração de uma mãe, nomeadamente quando achamos que todos os pequenos seres, filhos das outras, já andam por aí armados em crianças evoluídas e as nossas não. 
Quando engravidei, lá no trabalho, éramos 3 grávidas e 3 homens que iam ser papás. Todos quase pela mesma altura. Por isso, as experiências dos pequenos, quando nasceram e começaram a crescer, eram partilhadas a diário. Lembro-me bem que com um deles, até tremia, pois enquanto a minha ainda fazia caretas à sopa, a dele já comia empadão. Com outra colega, tinha vontade de enfiar a cabeça na areia, porque a minha filha ainda não andava e já a dela andava de triciclo! Enquanto a minha balbuciava para nosso deleite e contentamento o 'papá' e a 'mamã', o filho de uma delas já declamava Fernando Pessoa! Porque alguns pais e mães acham que é assim que deve de ser: os seus filhos são os melhores, os maiores e os pioneiros na grande aventura que é crescer. Quando a minha filha fez um ano, ainda não andava. Na realidade, começou a fazê-lo aos 15 meses e picos e ainda assim, de tal forma trapalhona que ainda demorou algum tempo a que tivesse confiança suficiente para o fazer sozinha. E sim, também eu me lamentava, que a pequena não andava e porquê?, falei com o pediatra tantas vezes, li livros, estudos, haveria um problema? Sim, na minha cabeça! Que ao invés de dar tempo ao crescimento normal da minha pequena, ouvia todas aquelas mães e pais, capazes de esgotar a paciência a um santo.
Hoje, com cinco anos, acho que não podia estar mais satisfeita. Sim, ainda dorme com fralda à noite. E depois? Quando ela achar que não vai precisar dela, certamente vai deixar de a usar. Agora chamem-me os nomes que quiserem!
Por isso, e pelo texto (lindo!), quero dar-te os parabéns! Não é fácil ignorar as mães que têm a capacidade de nos stressar, mas é fácil ouvirmos a voz que nos vem de dentro. E que quando olhamos para eles, temos a certeza que estamos a fazer um excelente trabalho, para o qual ninguém nos preparou.Que lhes conhecemos as fraquezas e as qualidades e que, sobretudo, não fazemos da existência deles um espectáculo de circo. E eles crescem, felizes, a seu tempo, rodeados de pessoas que só querem o melhor. Que os amam. 

Comentários

mary disse…
também adoro o blog dela, é pena não dar para comentar...
Anónimo disse…
Nem mais!
Eu também por vezes me pergunto porque que o meu filho com 4 anos não fala como os outros.Pergunto-me, mas não faço disso um problema muito serio.

Ja me disseram ate [pessoas da família muito chegada ate] que o miúdo sofria de síndrome de Asperger que e autismo manifestando-se muito leve.

Ja o levei a terapeuta da fala e a unica conclusao da medica foi que ele era timido e teimoso.

Mas mesmo assim nao paro de ouvir que ele deve ter algum problema.

O mais novo só começou a gatinhar agora com 11 meses e o tempo que estive em Portugal foi o suficiente para ouvir vezes sem conta que ele já devia gatinhar.

Estas ultimas vezes já respondia que gostava que o meu bebe fosse bebe, e que ele tem tempo para crescer. Mas que cansa la isso cansa.

Gosto muito de ler a Miss Glitering e só tenho pena não conseguir comentar :(

Obrigada por mais estas palavras bonitas Rita.
Tu sem duvida também és uma mãe orgulhosa e uma pessoa que todos nos gostaríamos de conhecer.
Anónimo disse…
Hehhehheh, omeu também só começou a andar quando já tinha quase 18 meses, mas em contrapartida ainda nem um ano tinha e já fazia "escalada".
Quanto à fala, actualmente ele faz terapia da fala, porque precisa mesmo, mas não imaginas as barbaridades que ouvi da avózinha. Enfim...
Unknown disse…
não dá para comentar porque o blogger 'embirrou' com o blogue dela e não abria os comentários, mas ela já avisou que vai mudar de 'casa' :)

enviei-lhe o link do teu post **
Miss Glitering disse…
Muito obrigada por este mimo. :)
Gostei muito do texto e das palavras solidárias das mães que sentem, como eu, na pele os olhares e palavras críticos de quem tem filhos prodígio e aponta o dedo aos que não são.
É exactamente como dizes: devemos deixá-los crescer ao seu ritmo e não ter pressa para que sejam mais isto ou menos aquilo. O equilíbrio sempre foi o pai de todas as virtudes, só que às vezes é difícil lembrarmo-nos disto e ignorar essas tais vozes.

Um grande beijinho e muito, muito obrigada, de coração.

Sofia
Rita disse…
Beijinho a todas.. E obrigada Sofia! Ainda bem que alguém fez passar a mensagem! :)
cristina disse…
Como entendo! E UFA encontrei alguém que diz que a filha ainda usa fralda à noite !!:)
Anónimo disse…
http://achatcialisgenerique.lo.gs/ acheter cialis
http://commandercialisfer.lo.gs/ cialis pas her
http://prezzocialisgenericoit.net/ cialis
http://preciocialisgenericoespana.net/ cialis

Mensagens populares deste blogue

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado. De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes. Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu. A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um eg…

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

De Férias.

.. mas volto!