Avançar para o conteúdo principal

E a Finlândia retribuiu com «Amor»



Ok. Nós precisamos de ajuda, é certo. Portugal, com os seus 900 anos de história já deveria ter crescido muito mais, já deveria ter feito muito mais, já deveria ter aprendido com os erros. Como diz um comentador deste video no Youtube, somos o país dos desenrascados, que já estão habituados a procurar nas desgraças uma saída. Assim espero, porque o Portugal que quero para a minha filha é um Portugal melhor, diferente, consciente dos seus recursos e independente das ajudas externas para prosperar. Tenho consciência de que ainda muitos mais anos terão de passar para que isso se torne numa realidade, mas o que é certo é que não me apetece baixar os braços e apenas criticar o que deveria ser feito sem nada fazer por isso. Sou um grão de areia que junto de muitos mais como eu, daria uma praia. Não sei muito bem como começar, mas apetece-me fazer qualquer coisa para mudar este caminho.
Este sarcasmo escondido na mensagem dos finlandeses fez-me ver que, muito pior do que estar na mó de baixo é que ainda sintam pena de nós. Os coitadinhos dos lusitanos, de bigode e que comem bacalhau, que se enterraram no meio de tanta corrupção e incompetência politica. Isso é que não. Não querem ajudar, não ajudem, mas não gozem com os sentimentos de quem já ocupou meio mundo. Fomos grandes e ainda nos restam genes dessa grandeza. Só não sabemos como os utilizar. E no meio da minha pouca capacidade de conseguir mudar o que quer que seja, resta-me a vontade. E as vontades movem montanhas. E como eu ainda tenho tanto orgulho de falar português..

Comentários

PinkEmotions disse…
Obrigada pelo comentário.
Eu achei o vídeo deles ridículo... enfim!
L* disse…
Este vídeo é tão ridículo!
Rita disse…
O problema não é a ridicularidade do video, penso eu.. mas o cinismo com que nos enviam todo o seu amor.. bah!
L* disse…
Sim, foi essa a intenção do meu ridículo! Este vídeo é a chamada resposta mete nojo!
Rita disse…
se não fossem tão intuitivos, fazia já um boicote à Nokia! :D

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

v8 do Adriano Zumbo

Surpresa das surpresas! Chegaram até aqui leitores querendo saber coisas sobre o 'famoso' bolo V8, do ainda mais famoso Adriano Zumbo. Pois eu gosto muito de pôr as mãos na massa, mas numa loucura destas não me atrevo. São demasiados ingredientes (alguns a dar para o carote!) que tenho imensa pena de deitar no caixote do lixo, caso a coisa não saia (como é de esperar..) como deve de ser. Aos mais audazes e destemidos, àqueles que se pelam por desafios estrondosos e para aqueles a quem uma receita que poderá levar cerca de quatro (!) horas a elaborar, não os intimida, aqui vai o link com a receita. Meus amigos, minhas amigas, quem se atrever a levar esta 'insanidade' calórica a bom termo, que venha aqui dizer qualquer coisinha. Eu fico à espera.