Avançar para o conteúdo principal

Um pesadelo de sesta.

Fui dormir uma sesta com os meus filhos. Devia ter estado quieta. Ainda não devia estar a dormir nem há cinco minutos, já estava no meio de um pesadelo que, nem contado, nem tido: surreal. Pois que eu e o senhor meu marido fomos 'enfeitiçados' por uma espanhola, que falava por detrás da porta da rua, a espreitar para o óculo; assim que nos tocávamos, dávamos choques com fartura, de fazer inveja a uma central eléctrica; eu resolvo sair para a rua e sou atacada por morcegos gigantes que me querem morder e não há esconderijo que me salve, porque eles devem encontrar as pessoas pelo cheiro a cocó que elas deitam depois de darem de caras com eles. Nesta altura, já o meu coração ia a mil e eu juro que pensei que ia ter um enfarte a qualquer momento; Vai daí seguem-se em high speed várias cenas sem sentido, mas verdadeiramente spookies, que envolvem chamadas telefónicas, replicação de pessoas, tempestades e gritos.
 
Para terminar em beleza, a célebre cena do quero-andar-mas-as-minhas-pernas-pesam-1500kgs-cada-uma e não consigo sair do lugar. Eu ali, no meio da rua, apavorada, a querer correr para casa e não conseguia dar passo. Tentava dar um passo, mas parecia que andava na lua, sem gravidade. E os nervos a apoderarem-se de mim.
Ao longe, ouvi: Mamãaaaa! Mamãaaaa!
E eu naquele estrafego, a andar em slow motion.
Mamãaaa! Pá shála!
 
Abro um olho.. o coração está aqui a bater-me nas amígdalas; abro o outro. Estou no sossego do meu quartinho, com o mais novo a pedir para ir para a sala. Levanto-me e doem-me todos os músculos do corpo. Foram duas horas de sono muito intenso. Tenho as mãos dormentes, até! Ninguém merece.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.