Avançar para o conteúdo principal
Há uns dias li este post (irritante de tão bem escrito e certeiro) e fiquei a matutar no assunto. Sim, era tudo verdade: especialmente, o "gosto especial em desempenhar o papel de vítima". E reflecti. Bastante até.
Até aqui eu desempenhei este papel na perfeição, não deixando que nada me tirasse esse estatuto que, com tão grande orgulho e pena, eu gozava. Sem muitas vezes querer falar do assunto que me tornava uma pobrezinha, eu gostava de sentir aquela compaixão tão típica de quem me rodeia. Coitada, sofreu tanto, passou as passas do Algarve.. sim, definitivamente, eu gostava de sentir que os outros me sabiam sofredora. E, no momento em que me apercebi do quão ridicula eu estava a ser, senti vergonha. Mas como é que eu pude fazer uma coisa destas comigo? Como é que permiti que este aposto estivesse tanto tempo relacionado ao meu nome? De alguma coisa me valeu ter sido a Rita, a coitadinha? Vergonha, muita vergonha.
Decidi pôr em prática todo o conteúdo do post. Primeiro, perdoei-me por me ter permitido vergar à compaixão alheia, neste meu papel principal de grande vitima. Depois, perdoei-me por tudo o que me fez sofrer um dia. Depois, perdoei quem me fez sofrer o que sofri. E só tenho uma coisa a dizer: quem me dera ter feito isto há mais tempo! Poupava anos de angustia, ansiedade, tristeza, cabelos brancos e rugas. 
«Contudo perdoar não implica esquecer a dor que os outros nos provocaram»  e isso nunca esquecerei, com toda a certeza. E embora, quando ainda recordo porque fui tão infeliz, sinta um misto de incompreensão e abandono, não posso deixar de sentir, ao mesmo tempo, uma leveza e paz de espirito porque encerrei um capitulo negro na minha vida.
Hoje, a pessoa que me fez sofrer ainda me é indiferente, ainda não consigo sequer chegar perto ou tê-la na consideração que poderá merecer por ser quem é. Não posso prever o futuro e não sei como será a nossa relação daqui a uns anos. Contudo, o que realmente sei é que, apesar de não esquecer o que se passou, consigo aceitar como tendo sido uma coisa que não pude evitar que me fizesse sofrer. Aconteceu para me tornar uma pessoa mais forte, mais consciente, talvez um pouco mais amarga com a vida, mas mais alerta, com os pés na terra. Aconteceu para me fazer crescer, porque o sofrimento também tem essa capacidade. E sobretudo, sei agora, que aconteceu para que 7 anos depois eu conseguisse perdoar e perdoar-me a mim própria também.
Tantos anos a fazer o papel de vitima, quando afinal, fui Rita, a grande!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

Oscars 2015: Vanity Fair after-party

Classe vs Badalhoquice

Irina, Irina.. ainda tens de comer muito pão, filha.