Avançar para o conteúdo principal
O meu marido é assim uma espécie de super-homem lá para a malta do nosso centro de saúde, desde o dia em que defendeu uma médica de ser agredida por um utente enfurecido. [esse episódio de bravura fica para outro dia]
Ao ponto de eu ir lá pesar o miúdo e a nossa enfermeira me confessar que, «ai, o seu marido, a doutora está sempre a dizer que devíamos fazer um reconhecimento publico, e eu também acho».. e tudo assim muito melado, muito derretido, como se ele fosse o He-man cá do sítio. E tendo em conta que a tal doutora é uma gaiata nova e a enfermeira também, já não começo a achar muita graça ao herói.
Mas, adiante.
Estava eu, hoje de manhã, numa fila descomunal para pagar as análises que tinha ido fazer, quando o senhor meu marido entra no centro para me entregar as chaves do carro. Ora, eu já estava ali de pé (e esfomeada) há pelo menos 25 minutos. Assim que ele chega, é a minha vez de ser atendida. Quando as senhoras administrativas reparam nele, ficam logo todas sorrisinhos e disponíveis. E diz-me uma: «Então era para pagar? Tinha passado logo à frente, escusava de esperar aí na fila!»

Pois. Tá certo. Isto diz-me ela depois de ter estado 25 minutos com ar de onça a olhar para nós, a grunhir que quem não está ali para consulta tem de tirar senha e esperar na fila. Ok..

Pronto: aprendi a lição. A próxima vez que entrar naquele centro, mal ponha um pé lá dentro, abro a goela e anuncio: Cheguei! Sou a mulher do vosso-querido-salvador-das-mulheres-jovens-e-indefesas. Atendam-me já e depressa, se faz favor.

Comentários

Gaja Maria disse…
O factor C (de cunha) é a melhor coisinha que temos neste país. Temos de usá-la sim. :D

Mensagens populares deste blogue

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado. De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes. Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu. A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um eg…

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

De Férias.

.. mas volto!