Avançar para o conteúdo principal

Castigar com rezar o terço.

Aquilo que eu vou contar não me foi dito por terceiros. Eu estava lá e ouvi. E, sinceramente, não gostei. Antes de mais, quero partilhar aqui que sou cristã. Acredito em Deus, em Jesus Cristo, tenho a minha fé, vivo-a e educo a minha filha dentro dos valores cristãos. Mas nunca na vida fui intolerante. Respeito todos os que vivem à minha volta, todas as suas crenças e religiões. Nunca me afastei de alguém por professar uma fé diferente da minha, muito pelo contrário. E também nunca fiz da minha religião um campo de batalha: sou tolerante, de paz.
O que na realidade me chocou foi o seguinte: estávamos nós a assistir a um show no safari e connosco outras pessoas, maioritariamente miúdos, de dez, doze anos, em visita de estudo. Como alguns estavam mais eufóricos, uma das professoras diz-lhes: «Vejam lá se querem ir rezar o terço.».. Ao que mais dois professores anuem com a ameaça e repetem a graça.. se não se portarem bem, vão para um canto rezar o terço. Mas afinal de contas, o que é isto? Castigamos ou tentamos manter as crianças sossegadas sob a ameaça de irem rezar? Foi algum tipo de brincadeira? É porque se foi, não estou a perceber onde está a graça.. o que passará na cabeça de uma criança que, seja educada em casa sob os valores cristãos e que, na escola, ouve este tipo de coisas? É correcto, por parte de um educador, 'brincar' assim com a educação religiosa de cada criança? 
Eu quero acreditar que tudo não passou de uma brincadeira de mau-gosto, e que não é hábito naquela escola, fazerem este tipo de 'coisas'. Mas que me deixa apreensiva, deixa. Ouvimos tantas coisas do meio escolar na comunicação social e lutamos para que o professor ganhe de novo o estatuto de outros tempos, porque é imperativo que as nossas crianças tenham respeito por quem as educa. E depois, ouvimos estas coisas. E claro, começo a colocar muita coisa em causa.
Uma coisa é certa, se a minha filha se porta mal, eu não a ameaço com ir recitar o Alcorão, por exemplo. Tenho (acho eu) outras formas mais pedagógicas. E menos discriminatórias.

Comentários

Papoila disse…
Pois, também não entendo?! De pedagogia não me parece que tenha muito..

No meu tempo era "se não te portas bem fazes a tabuada dos 9 vinte vezes"... isso sim era educativo:)

**

Mensagens populares deste blogue

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

Oscars 2015: Vanity Fair after-party

Classe vs Badalhoquice

Irina, Irina.. ainda tens de comer muito pão, filha.