Avançar para o conteúdo principal

então, é Natal.

Já aqui o disse muitas vezes. Adoro o Natal e tudo o que esta data envolve. Principalmente quando as melhores recordações são aquelas que trago de quando era criança. E todos estavam presentes. Hoje, a minha casa é grande para receber os que amo, mas fica cheia só de saber que eles estão presentes na minha vida. Penso muitas vezes no meu pai. Especialmente nesta altura. Porque raio há-de ser aquela criatura um ser tão estúpido, que não consegue sequer admitir que errou e que pode pedir perdão. Deve! Algumas pessoas me perguntaram, ao longo destes anos, porque não sou eu a dar o passo. Não posso ser eu. Não posso. Acho que a principal razão de estarmos vivos se prende com a necessidade efectiva que temos em aprender a crescer com os nossos erros. E o meu pai, felizmente!, não é um diminuído mental, não têm nenhuma deficiência cognitiva que o impeça de tomar uma decisão certa. O meu pai pensou em todos os pormenores para nos afastar da vida dele, num acto de egoísmo, e com certeza estará na posse das suas faculdades para pensar em como deveria reverter essa situação. Teria de ser ele a crescer, a tomar esse passo, a ser adulto, a ponderar, a suportar a vergonha de ter de admitir que desta vez foi ele que fez um grande disparate. E se aceitava? Bem.. não poderei dizer que tudo voltaria a ser como dantes, mas com toda a certeza, estaria disposta a ouvi-lo. Curiosamente, porque é Natal. Sobretudo, porque tenho muitas saudades e não o queria longe da minha vida para todo o sempre.
E assim, hoje é Natal. Com mais ou menos alegrias, celebramos o dia da esperança, do amor, da família. E no intimo do meu ser, faltará sempre qualquer coisa, que me impede de ser cem por cento feliz.

Comentários

Turista disse…
Um beijinho, querida Rita.
mari disse…
nem consigo imaginar o quanto deve ser triste ... sinto muito, mas desejo que tudo se resolva **

Mensagens populares deste blogue

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

Oscars 2015: Vanity Fair after-party

Classe vs Badalhoquice

Irina, Irina.. ainda tens de comer muito pão, filha.