Avançar para o conteúdo principal

Seattle Grace vs. Um qualquer hospital português

(para quem desconhece do que falo, trata-se do hospital que serve de cenário à série Grey's Anatomy - e quem não vê é uma batata podre! - e gostava de fazer aqui um pequeno reparo ao episódio 15 da temporada 7, intitulado «Golden Hour»)

Ora, andava a Meredith (que é a gaja gira que está casada com o McDreamy {suspiros}), a comandar as urgências do Seattle Grace e tudo se desenrola no espaço de uma hora. Daí o título do episódio. E é aqui que a realidade, que muitas vezes se quer escarrapachada neste tipo de séries, para dar credibilidade à coisa, foi passada com uma grande pinta para segundo plano. Senão, vejamos:
Numa hora, tratam-se os casos de um homem que entra com azia, faz dois rx's e um tac, descobrem-lhe um problema na aorta e operam de urgência, ao que ele não se safa porque já foi descoberto tarde! Num qualquer hospital português, uma hora seria a primeira de umas sete ou oito que o desgraçado teria de esperar na sala de espera, porque ninguém é atendido de urgência quando se vai queixar de azia!
Numa hora, os pais de uma criança desesperam para que um médico coloque gesso na perna do menino, que está cheio de dores, no meio de todas as outras pessoas adultas doentes. Ao menos em Portugal, existem as urgências pediátricas, onde as crianças esperam com crianças..
Numa hora, entra um bêbado com outro bêbado, sendo que o primeiro trás uma faca espetada na cabeça (!), mas vem a rir e pelo seu próprio pé, a pedir que se despachem porque quer ir assistir ao jogo. Ora, em Portugal, um cenário destes era obra para parar por completo as Urgências, ou quiçá todo o pessoal médico do hospital, que se deslocariam ao doente para dar palpites ou quanto muito só olhar! O que é inédito é que, para além de o amigo bêbado lhe ter retirado a faca sem qualquer tipo de problema, enquanto a fabulosa equipa do Seattle estava distraída e do senhor nem sequer ter ficado em observações, ao fim de uma hora lá vão eles todos contentes, para o bar mais próximo ver o jogo.
Conclusão: aquele hospital, apesar de muitas desgraças que acontecem, é um verdadeiro milagre!

Comentários

Olívia Palito disse…
Muito bom este post (como já +e hábito)! ;))

Beijinhos Rita*

Mensagens populares deste blogue

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

Oscars 2015: Vanity Fair after-party

Classe vs Badalhoquice

Irina, Irina.. ainda tens de comer muito pão, filha.