Avançar para o conteúdo principal

O que é que uma pessoa tem de fazer mesmo para vingar nesta vida?

Até Setembro trabalhei em dois lugares distintos. Em duas áreas completamente distintas. A fonte principal do rendimento, já sabem, no aeroporto. A outra, uma espécie de part-time que me levava todos os segundos dos dias, era um acréscimo ao tilintar na conta bancária. Por outro lado, era como uma espécie de alter ego, que me elevava as capacidades criativas, de decisão, de raciocínio, por vezes tão ausentes da minha principal função. E é dessa vertente atarefada e multi-facetada que sinto mais falta.
Contudo (e nestas coisas, não vale a pena negar, há sempre um senão), era um trabalho de bajuladoras. Quase todas mulheres, principalmente na coordenação e supervisão, quem se safava era quem melhor lambia as botas. E nada de ser tímida com a ponta da língua. Eram linguados mesmo. Literalmente abocanhar as botas da coordenadora com a boca toda. E eu nunca fui grande coisa nesta matéria. Daí, talvez seja pouco provável que me convidem para cházinhos e jantares. Embora, enquanto profissional (e nisto dou sempre o meu melhor), espero que me chamem para outro projecto.
Caí de para quedas num instituto (público, sim) mais que calejado com as manhas e tramóias de quem é já cão velho nestas caçadas. Adivinhem quem foi a pobre e indefesa lebre? Acertaram. Embora soubesse de antemão que era um contrato a termo, que não ia ser para sempre, sempre senti que havia ali a boa oportunidade para mudar de vida e fazer algo mais parecido comigo. Em poucos dias, senti-me como peixe na agua. Absorvi cada conceito, cada procedimento, cada metodologia. E no fim do trabalho, senti-me orgulhosa de mim própria. Tinha feito um óptimo trabalho para uma principiante. Agora, depois destes meses de silêncio, apercebo-me que não deixei baba suficiente naquele escritório, especialmente por debaixo da secretária da minha chefe. E quando vejo nessas plataformas sociais a quantidade de sorrisos amarelos e mensagens lamechas que as minhas ex-colegas lhe enviam, ainda tenho mais certeza disso.
 Oh vida cruel!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.