Avançar para o conteúdo principal

Quando o ♥ nos leva a partir.

Tenho um amigo que conheço praticamente desde que nasci. 5 dias separam o nosso aniversário. Embora tenhamos 'crescido' juntos, sempre tivemos educações diferentes. Eu, maria-rapaz sempre muito senhora do meu nariz, livre como o vento, fiz todas as asneiras que fazemos quando temos idade para as fazer. Apaixonei-me perdidamente e achei que ia morrer quando não fui correspondida; saí à noite para sítios que a minha mãe nem imaginava, faltei às aulas para ficar no café, fumava com as amigas cigarros roubados aos pais, muito escondidas; tive algumas notas más e rezava para que a minha mãe não descobrisse os testes; as minhas mãos suavam cada vez que havia reunião de pais; cresci e tornei-me naquilo que sou hoje.
O meu amigo cresceu com o fantasma da mãe e da avó materna a acharem que o menino era sobredotado, por isso diferente dos outros; cresceu com o peso dos excelentes e dos 100%, da melhores notas da escola, que a mãe lhe impunha; do cabelo alinhado e de nunca fazer um disparate sob pena de levar uma valente tampona. Não ia nas visitas de estudo, porque era demasiado perigoso; sair à noite era para os vadios e delinquentes; festas de anos só aquelas que decorriam à tarde e num ambiente controlado por adultos; Nunca cresceu, sobreviveu. E quando se apanhou fora de casa, quando entrou na universidade, a 300 km de casa, partiu a loiça toda.
Apaixonou-se pelas pessoas erradas, levou pontapés da vida, vendeu a alma por diversão, amor e loucura. E claro, não estudou. De sobredotado passou a desleixado, porque, na realidade, ele não sabia como ter bons resultados na escola sem ser por interferência da mãe. Depois de alguns anos a passear livros, os pais tomaram uma atitude, já em desespero, montaram-lhe um negócio que não vingou.
De um dia para o outro desapareceu. Deixou uma carta a dizer que ia em retiro espiritual, deixou o telemovel, o computador, as roupas Lacoste e o carro. E partiu.
Ontem, a minha mãe contou-me que os pais dele choram a toda a hora. O meu amigo partiu para o Gabão. Voluntário numa missão. Partiu.
Quando tudo falha, ele procurou a fé para se manter vivo. E, acho eu, encontrou a melhor forma de dar o seu contributo. Teve a coragem de largar tudo para se entregar a uma vida de sacrificio e compaixão. Eu acho isso lindo. E tenho orgulho nele. Os pais choram e culpam a fé por ele ter partido. Eu culpo-os a eles por não terem sabido prepará-lo para a vida. Coisa que ele está a fazer agora, aos 33 anos.

Comentários

ombemua disse…
Sem duvida Rita!
Não lhes serviu de nada toda a capa e cerca a volta do menino!

Ainda bem que ele conseguiu encontrar o caminho, e talvez consiga ser feliz!

Gostei do final da historia, e para dizer a verdade, estava a espera, de pior... normalmente encontramos casos de completa desgraça.

Baci*
abspinola disse…
Sem duvida que aqui os Pais falharam na sua preparação para a vida.
Não digo que não possamos proteger os nossos filhos, mas há que deixar uma porta aberta para crescerem a fazer as suas loucuras.
Espero que ele encontre o caminho dele.
É DE LOUVAR A ATITUDE DO TEU AMIGO.

Quando li o teu texto a tua pessoa o que fizeste , feza me lembrar tudo o que fiz, sempre fui assim, fiz coisas impensaveis na cabeça dos meus pais, mas tive sempre a consciencia do que andava a fazer.

Bjs uma boa sexta

Mensagens populares deste blogue

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.

Oscars 2015: Vanity Fair after-party

Classe vs Badalhoquice

Irina, Irina.. ainda tens de comer muito pão, filha.