15.10.11

Era uma vez, há 6 anos atrás..

.. uma rapariga e um rapaz que resolveram casar depois de 8 anos a juntar trapos e a compartilhar amor e carinho. Ela, igual a ela própria, duas horas antes da cerimónia já estava mais que despachada, apressada e nervosa para que tudo desse inicio. Tratou de ir ver a quinta ainda não eram bem oito da manhã, lavou o carro do pai, foi pentear-se e maquilhar-se, foi comprar frangos assados para o almoço, andou a fazer de chouffer da mãe, das primas, da avó. Vestiu-se sozinha, porque os rituais ameaçam-lhe os nervos e só pediu ajuda para apertar os colchetes de cima. Estava em pânico porque duas horas antes a cabeleireira de sempre, que nesse dia também era convidada, ainda não tinha aparecido para lhe colocar o véu. Teve de esperar, no carro, que todos chegassem à igreja, para poder brilhar e diz a madrinha que a noiva já dizia coisas impróprias para consumo, tal não eram os nervos. Ele, igual a si próprio, bem podia ter sido ele a vestir-se de branco e a usar o véu, pois demora sempre mais que uma noiva para se despachar, alcunha essa que ainda perdura nas brincadeiras que ambos têm. Porque o cabelo tem de estar milimetricamente desalinhado, elegantemente desarranjado. Acordou tarde e a más horas para tudo o que tinha que fazer. Almoçou no Mac um hamburguer que não lhe matou a fome. Guiou a duzentos o cabrio que nos levaria daquele cenário idílico que escolhemos para dar o nó. Vestiu-se a rigor e chegou em cima da hora, àquela pequena capela em frente ao mar, nervoso, muito nervoso. E enquanto o sol se punha no mar, ela entrou pela mão do pai, fez força para não chorar, ele emociou-se, pegou-lhe na mão, olhou-a como se fosse a primeira vez e talvez a última, pois olhares daqueles não se esquecem nunca e num misto de emoção e tranquilidade sussurrou-lhe que estava linda. Ela, aí descansou, pois sabia que, a partir daquele momento já nada mais importava. Tudo estava bem. Estava a casar-se com o homem da sua vida. Estava a casar-se com a mulher da sua vida. Felizes. No dia mais feliz das suas vidas até então. O mundo lá fora não importava, só que estavam juntos.

7 comentários:

abspinola disse...

Parabens pelos 8 anos de matrimonio, pelo amor, pelo companheirismo, e tudo o que faz de voces um casal especial.

Estavas linda linda...

Bjstos venham mais 8

mari disse...

sweet**

venham muitos muitos muitos mais assim :)

100 Pretensões disse...

Que lindo, adorei como contaste a história e essa capelinha?deve ser um sonho!
**

mary disse...

Estas historias existem mesmo?
Ha dias em que deixo de acreditar no mundo todo.
Valha-nos estas historias, as vossas historias, que sao partilhadas connosco e que nos fazem ter um pinguinho de esperança que talvez ainda haja qualquer coisa assim parecido à minha espera num futuro...

ombemua disse...

Adorei.....
Felicidades aos montes Rita!!!
Muito amor e carinho, agora partilhado a três :o)

Baci*

Rita disse...

Obrigada a todas! :)

E sim, Mary, só é necessário nunca deixarmos de acreditar.. e elas acontecem. Nem tudo é fácil, querida.. mas ao menos o amor é real.

Beijinho!!

coquinhas disse...

que história magnífica :D que seja para sempre ^^ Felicidades e que "o mundo lá fora" continue a não vos importar :D