Avançar para o conteúdo principal

Daquelas coisas que não estamos à espera

Imaginem que estão a assistir a uma prova de selecção, juntamente com os responsáveis dos recursos humanos, para seleccionar pessoas que vão trabalhar sobre a vossa alçada.
Agora imaginem uma sala com uns vinte candidatos. Nós, os dos lugares descansados, observamos os exercícios propostos, a dinâmica da coisa, vamos tomando notas, avaliando.  Eles, os dos lugares em risco, tentam mostrar aquilo que valem, que são, o que conhecem e até que ponto estão empenhados em conseguir um emprego. Porque é mesmo disso que se trata, ou não estariam ali para outra coisa.
E é aqui que eu quero chegar com isto tudo. Parece-me que há por aí muito boa gente que quando se candidata a um lugar, deve achar que só pelo simples facto de se mostrar fisicamente, o empregador só teria mesmo de se ajoelhar a seus pés e promovê-lo logo ali. Ou não teriam a coragem de não dizer coisa com coisa numa prova de selecção. É como, pura e simplesmente, não abrir o pio, quando o lugar se trata de ser locutor de rádio.. Mas não foi a isto que eu vim aqui. Adiante.
Eis que no meio de algumas pessoas assim, naquele grupo, uma rapariga sobressai. É-lhe colocada uma questão simples.
- Acha que para este trabalho é importante ser-se metódico?                                                                      
- Hã? Diga?
- Metódico! Neste trabalho é importante ser-se metódico?  Ter um método de trabalho..
- Aiii... hihihi... não... hihihi...
- Não?
-Aiii.. sim... hihihi... não sei... sim, pronto.
- Então? Sim ou não?
-Aiii.. estou tão nervosa. Faça a pergunta a outro.. não sei.. aiiii.. é que estou tão nervosa que agora já não sei, estou confusa.
- Pronto. Acalme-se lá. Não precisa de ficar nervosa, então. Tenha lá calma e pense lá um bocadinho.
(a rapariga já a transpirar por todo o lado, a abanar a cara com as mãos, a tapar os olhos, em pânico)
-Aiii!! Já lhe disse.. não consigo responder a isso.. estou tão nervosa, não sei, estou confusa.. aiiii... .... .... metódico?... ... ahhhh.... aiiiii não sei....
(e nós a arregalarmos muito os olhos porque não estavamos a perceber o porque de tanto stress)
-Pronto, eu dou uma ajudinha – diz o psicólogo – é um trabalho que obedece a regras, que tem uma maneira para se proceder, logo é...?
-Olhe.. – e a rapariga desata a chorar – eu estou muito nervosa, porque antes de vir para aqui, deixei cair o bláqbérri do meu marido e partiu-se todo e ele ainda não sabe e quando eu chegar a casa..
(e choro, muito choro.. perante uma sala em silêncio,incrédula , boquiaberta com o que estava a ouvir)
- Bem, se a senhora quiser sair para apanhar um pouco de ar e recompôr-se, pode fazê-lo. Nós gostávamos de prosseguir com aquilo que nos trouxe aqui.
Ela saíu, voltou passados uns minutos. Participou no que ainda restava da prova.
Evidentemente, não foi seleccionada. Mas deixou-me a pensar nela. Obviamente pelo pânico de morte que mostrou ter do marido, depois porque naquele dia devem ter chovido chapadões e pontapés naquela casa. Porque a violência nem sempre se consegue esconder atrás de maquilhagem. E porque, ironicamente, a violência fisica, verbal e psicológica é sempre metódica.

Comentários

Sofia disse…
Wow...
Fiquei mais do que impressionada...
Nem consigo imaginar a pressao psicologica (e provavelmente nao so) a que essa pobre rapariga deve estar sujeita para ter entrado nesse nivel de desespero e falta de controlo por causa de uma simples pergunta... que, veio a despoletar tanta coisa que para ali estava guardada...
So espero que ela possa ter ajuda o mais rapidamente possivel e que, de uma forma metodica e definitiva, elimine a(s) fonte(s) do seu desiquilibrio!

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.