Avançar para o conteúdo principal

Um niquinho de inveja, um niquinho..

Eu adoro ser mulher, a sério. Adoro tudo. A nossa condição, a nossa sensibilidade, o dom que a natureza nos deu de sermos capaz de gerar vida. O facto de a nossa roupa ser muitíssimo mais gira e mais variada. O poder de concentração que temos ao ler a Cosmo ou a LuxWoman. A ginástica que fazemos para tratar da casa, do nosso clã, do nosso sucesso profissional e de nós. A emoção que carregamos ao ver um filme baseado numa qualquer obra de Nicholas Sparks e a falta de vergonha de chorar baba-e-ranho no cinema. Adoro que a industria da cosmética evolua freneticamente por nossa causa. Amo de paixão ter nascido mulher e tenho muito orgulho nisso.
Mas, e há sempre um 'mas' e não me digam que não!, lá no fundo, no fundo, invejo essa descontracção masculina em relação a quase todas as máximas da vida. Ora, não há jantar feito? Não faz mal, umas sandes e uma cola resolvem qualquer problema. É que os homens são assim: descomplicados, mais simples, mais curto-e-grosso, mais deixa-arder-que-o-pai-é-bombeiro. E é essa qualidade masculina que eu mais invejo. Não perdem tempo com as dúvidas do guarda-fatos, não se questionam se aquele anti-olheiras valerá mesmo os 40 euros, não passam o dia no trabalho a pensar no jantar de logo à noite. Não se apressam nos seus lazeres para ir pôr a roupa dos míudos em dia, não coram até à combustão se recebem visitas-surpresa em casa e a mesma mais parece a faixa de Gaza. Não vão a correr vestir umas calças, se a campainha toca e a depilação nas pernas não está feita. Qualquer canto da sala é um bom aterro de sapatos e se a roupa suja ficar no chão da casa-de-banho, certamente levitará até à máquina de lavar. É isto. É isto que eu invejo. Esta despreocupação, este desmazelo, esta atitude sem stress perante a vida, que os leva a andar mais descontraídos, mais soltos, com a cabeça mais leve.
E se confrontados com isto, com o simples facto de a mulher levar uma vida profissional tão desgastante como o homem e depois ainda ter estas 'preocupações extra', levamos logo com a típica resposta do «ah é?!? tás a dizer que eu não faço nada, pois não? que eu não te ajudo..» e amuam.
Verdade seja dita, muitos ajudam, muitos partilham tarefas, muitos fazem mais e melhor que certas mulheres. E outros, simplesmente não.
Continuo a adorar ser mulher. Continuo a achar o máximo preocupar-me com a combinação da roupa e com saber se tenho de fazer sopa.
Ainda assim, quando não me apetecer fazer nada ou andar mais despreocupada com os assuntos femininos, sempre posso dizer que estou com o período.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.