Avançar para o conteúdo principal

Essa desconhecida entranhada em mim.


Começa por ser estranha, depois entranha-se de tal forma que quando menos esperamos já tomou conta de nós. Não é tão fácil como parece deixá-la partir, mesmo com a consciência plena de que é o melhor para nós. Há dias em que nos domina por completo. Há outros que nem damos pela sua existência. Os maravilhosos amigos que nos deixam moles, felizes, apáticos, sonâmbulos, sem sentido ou reacção não são a solução eterna. Embora ajudem.. Quando tudo dentro de mim grita que se quer ver livre deste estado de letargia, parece que há uma pequena parte do meu cérebro que não responde, que não se manifesta, que não faz nada para que isso mude. E do riso, da alegria, da espontaneidade, da vontade de viver livre e feliz, vem a apatia, o choro, o pensamento constante que me tira a vontade de fazer o que quer que seja. Ninguém nos ensina como viver com isto, mas também ninguém nos ensina como deixar de o fazer. Embora ajudem.. Parte de nós arranjar forças, sabe-se lá onde, para lhe fazer frente. Parte de nós arranjar soluções, distracções, novos pensamentos. Parte de nós a nossa própria cura. Embora não seja fácil, embora demore, embora nos esgote e nos transporte para um estado de fragilidade, embora quase nos enlouqueça..
Não me sinto completamente livre dela. E sei que não estou. Quando o mundo pára à minha volta, especialmente quando estou sozinha, ela vem sentar-se a meu lado, tenta meter conversa, insiste e insiste e insiste, tenta jogar-me a baixo para mais facilmente entrar, penetra nos meus pensamentos como se fosse éter que me atordoa.. não sei quanto tempo tenta levar-me de novo com ela.. talvez sejam 10 minutos, talvez meia-hora, talvez mais.. sei apenas e tão só que aprendi que se a ignorar ela acaba por desistir. Embora venha, todos os dias, sempre que pode, tentar-me. Então fico, quieta, pensando em todas as coisas boas que tenho, enquanto ela vai investindo no seu propósito. E quieta, sem sequer a fitar, vou ignorando a tentação de embarcar de novo num caminho obscuro. Até que ela desiste e vai embora.. mas deixa sempre o recado, de que promete voltar.
[venha.. estarei pronta.]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado. De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes. Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu. A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um eg…

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

De Férias.

.. mas volto!