Avançar para o conteúdo principal

Era uma vez..

.. uma funcionária do aeroporto de Faro, eu mesma, que estava encantada da vida descansadinha no seu posto de trabalho (tal não era a vontade), quando no meio de 4 Transavias (para quem não sabe são os autocarros da carreira que levam os holandeses para a suas casinhas), estala o caos porque a malta não é de ferro e às 9h da noite já não se está com muita paciência, e estavam 4 mulas holandesas feitas monas a olhar para o nada e a dificultar o nosso trabalho. Tal como já disse, a paciência já não era muita e uma outra colega também cansada já de tanto 'nix-a-pix' (gostamos de os chamar assim!), pediu-lhes que apanhassem nas suas coisinhas e seguissem viagem.. elas, as cavalonas holandesas, muito indignadas, apanham nas coisas à bruta e começam a chamar-nos no seu maravilhoso inglês: «Silly, silly..» e outras palavras em holandês que a gente supõe que sejam bastante ofensivas..
De repente, saiu-me isto da boca, enquanto os meus olhos lançavam faíscas..

- Are we selling vodka here?
- What?? (elas em unissono)
- 'Cause.. this is not a bar.. or.. do you want a peanut? 'Cause you're looking at me like a monkey. .. e abrem mais essas bocas e vão sem rótulas para casa.

Comentários

Deboraah13 disse…
5 Star!!!
Adorei....

xxx
MC disse…
Menina, isso lá é forma de tratar as mulas?!
Taditas...
Se calhar elas estariam mesmo com falta de uma fresquinha... ou quentinha!!
;)
Ana Omelete disse…
eu cá dizia logo que sim, queria um copito de vodka, aahhahhahaah...

é preciso pachorra mesmo :o)

Mensagens populares deste blogue

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado. De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes. Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu. A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um eg…

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

De Férias.

.. mas volto!