Avançar para o conteúdo principal

O «mê» falar..

Qu'isto de ser algarvia tem mais que se lhe diga.. que trabalhar com gente de Fáre e Olhão, Fuzeta e Loulé e ser moça da Vila (Real de Santo António) dá-nos uma estaleca desgraçada em dialectos algarvios.

Má porqué que falamos assim? Ficamos logo com a marca de que falamos mau português.. o que não podia ser mais erráde.. Quem ouve de fora, parece-lhe aquilo que é: uma algaraviada. Maje a gente entendesse.

Assistir a um diálogo entre dois algarvios, pode parecer uma cena de comédia, para alguns até mesmo uma lingua estranha de perceber, mas no fundo, é assistir ao mais diversificado dialecto.

Uma receita que meta griséus, vagens e ervilhanas, confunde o mais prestigiád chéf de cozinha. :)

Se assistirem a uma conversa entre dois colegas no aeroporto, deve sair uma coisa mais ou menos assim:

-Atão? Méquié?

-Atãaaaooo maninh'! Táj'aí?

-Atã nã sabes??

-Tá munta fritaria aí hoj'?

-Má atão? Nã sabes'já?

-Dass.. lóg hoj qu'ê nã tô capaz..

-Por cá de queim?

-Móss, dói-ma cabêça.. tenh'a cabêça maij alta co farol..

-Má atão na tomástes nada pra iss'?

-Tomê. Má ê na podia faltar.. Tô aqui tod'empacháde..

-E vensje práqui assim? Má tensje a mania qu'és moçe d'Ólhão, hom..

-Mó.. dêxam'a cabêça da mão, déb.. na vesje que tô tod' frite? A ver se me mandam prái refundide..

-Alguma vez?? Mêm'agora vás ali pró lode..

-Nã vô não.. que digue lógue que nâ tô capaz.

-Má eles na acreditam..

-Na acreditem, na acreditem..

(...) Lindo!


No meio desta 'macacada' toda, as expressões como 'atira-t'ó mar', 'desampara-me o dancefloor', 'bota gel', 'filhe d'Ólhão', 'moça da vila', deixam qualquer um 'má variado q'um chalavar de caranguêjo... mó!'

Tem avondo ou querem mais?

Comentários

Ana Omelete disse…
Adorei!
Especialmente o "empachade" ;-)

Boa transcrição do mais comum dos diálogos do aeroporto

Beijocas.
V-Skin disse…
Cá me parece que tu tenje'ma mania q'até dá dó... Ma c'orgulh é esse de falar mal? E o comer das vogais? Passam fominha no Algarve?

;)

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.