Avançar para o conteúdo principal

Viva!

Data: 02 Janeiro 2008
Hora: pelas 16h - mais coisa, menos coisa
Local: Centro de Saúde de Vila Real de Santo António

Entre um autêntico aglomerado de 'ovelhas', que era precisamente o que parecíamos, as pessoas, empurravam e tentavam fazer uma fila (à batota), para ver quem chega primeiro ao gabinete das auxiliares dos médicos. O gabinete fica num recanto de um corredor. Mal cabem 10 pessoas de pé, quanto mais mais de 50, que foram as que consegui contar. Elas (apenas duas), entram e saem do gabinete, são atropeladas com perguntas e reclamações, entram nos consultórios, saem dos consultórios, levam e trazem papéis, vá lá entre lá agora, quem é a senhora fulana, onde está a senhora beltrana, o número 87 se faz favor, a doutora já não atende mais, pró doutor só sexta-feira.. e por aí fora.
Eu já estava à espera há quase 2 horas. O meu assunto era simples. Sabia que tinha que esperar, mas não precisava de estar no meio da confusão a reclamar por atenção. Então, só me restava apreciar o cenário. Eis senão que, de todas as criaturas ali presentes, tinha que ser a sra administrativa a surpreender-me.
Ia fazer a chamada para o médico que acabara de chegar. E anunciou isso bem alto. Naquele recanto fez-se silêncio. Todos a olhavam. E começou:
- Sr António Castro Sousa.
(silêncio)
- Sr António Castro Sousa! Não está? Sr António Sousa...? Não?
(silêncio)
- Bom.. então, Sr José Manuel Brito.
(silêncio)
- Sr José Manuel Brito!
(silêncio)
- Também não está?
(Todos olham uns para os outros, ninguém se acusa e faz-se silêncio)
- Então estes senhores marcam consulta e não aparecem? Porque?
(Gargalhada geral)
- Ó minha senhora, telefone aos senhores e pergunte.. vá lá a despachar isto!
A senhora bem tentou, coitada, mas metia os pés pelas mãos, muito embaraçada, cheia de complicações, têm de desimpedir o caminho do corredor ( e vamos para onde?).. mas não conseguiu. As pessoas atropelavam-se para ser as primeiras nas consultas à vaga, para carimbar receitas, para pedir medicamentos, para marcar consultas.. um autêntico quadro de Picasso. Já o corpo médico não fica atrás.. uma das médicas de serviço, vem à porta chamar as pessoas. No meio de tanto alvoroço ela nem se dá ao trabalho de falar um pouco mais alto. Ela miou o nome das pessoas (que por sinal se encontravam sentadas no outro lado da sala!) e como as duas primeiras pessoas que ela chamou não a ouviram, apanhou no seu belo corpinho e ala que se faz tarde! Como devem imaginar, assim que se deu por isso, caíu o Carmo e a Trindade.
Viva o sistema de saúde que temos. Viva estas administrativas super-competentes. Viva este pessoal médico que nasceu pra isto, tem amor à medicina e que cumpre com a conduta moral e ética da profissão. Viva, viva, viva... mas viva saudável, que se adoecer está feito!

Comentários

fj disse…
infelizmente é assim :((
o mal é de quem necessita mesmo de recorrer a estes centros.
beijose bom fds

Mensagens populares deste blogue

Eu podia ignorar, mas é mais forte que eu.

Ele era um colega, que hierarquicamente estava abaixo de mim. Entrou uns anos depois de mim para esta empresa. Foi galgando lugares enquanto um macaco come uma banana. Não me perguntem como, nem porquê. Eu desconfio, mas ia ter de dizer muito palavrão para me justificar, portanto permanecerei uma senhora de bico calado. De lugar em lugar, de tarefa em tarefa. Pouco me importa se tem a língua negra de tanta bota engraxada, se tem dificuldade em sentar-se ou se comeu o pão que o diabo amassou. Desde que ele não me prejudique, ele lá e eu aqui, e amiguinhos como dantes. Mas quando a verborreia atinge patamares de superioridade, não há como passar despercebido. Uma pessoa pode ignorar, mas e conseguir? É como tentar ignorar um mosquito a meio da noite, no quarto. Tu bem tentas, mas é mais forte que tu. A criatura vai fazer uma apresentação numa reunião. Já de si, a situação tinha aqui material de sobra para que o Ricardo Araújo Pereira fizesse um brilharete. O ser está inchado, tem um eg…

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

De Férias.

.. mas volto!