Avançar para o conteúdo principal

Singularidades de uma rapariga..

.. ainda que não seja loura ou loira (dependendo de quem lê, claro!), se bem que o termo correcto é LOURA.

Chateio-me muitas vezes porque, as pessoas são muito 'poucochinhas', ao ponto de apontar o dedo aos outros, ou por aquilo que são ou por aquilo que têm, ou pelo que pensam ou pela aparencia.. E eu não escapo aos mirones.
Já dei por mim muitas vezes na boca do povo e ficava (passado) magoada com isso, porque não entendia porque raio haveriam as pessoas de falar de mim. Com o passar do tempo, fui-me apercebendo que os pobres de espírito só falam da vida dos outros.. aliás, o ignorante é o que mais fala (seja do que for!)!.. e deixei de dar importância. Mas, analisando aquilo que sou ou que tenho, até percebo o porque de ser notícia na boca do povinho. Mais que não seja, por ser única, singular..
Ora, pensando eu na vidinha que tenho e na que me é permitida ter, ocorreu-me que, apesar de passar a vida em queixumes até sou mocita para ter uma vidinha tranquila. Senão, vejamos: tenho casa e dois carros à porta, uma mota na garagem, um marido do best (quando não acorda com o rabo virado prá lua), uma filhota adorável (que qualquer dia me anda a pedir dinheiro, pra sair à noite, namorar com um pindérico qualquer de piercings e afins.. que o tempo não anda depressa, voa a jacto!), tenho bons livros nas estantes e optima música em mp3, tenho uma educação acima da média e alguns (poucos mas bons) amigos do peito com quem contar nas horas dificeis.
Se bem que nem tudo são rosas, o que planei para mim, como emprego (que trabalho já me chega o que dá passar a ferro e cozinhar e limpar a casa..), não é nada do que actualmente tenho, se bem que até nem aí me posso queixar. Até nem recebo mal, nem nada.. o intelecto, a capacidade, a inteligência que se lixem, que hoje em dia, as empresas só olham para os números e não para o que somos ou o que sabemos.
Portanto, a saber: não durmo numa barraca, não estou casada com um marginal, a minha filha ainda não tem idade para namorar um freakazóide e não dependo do subsídio de rendimento garantido (ou prémio de consolação, como eu gosto de lhe chamar!), a minha leitura de cabeceira não é a Maria e não tenho por hábito ouvir o Clemente no rádio.. so, so far so good, que não estamos nada mal.
E, perdoem-me os mais susceptíveis a ofensas culturais, que não tenho nada contra o Clemente ou contra a eloquência da Maria. Não fazem é o meu estilo.
E a pergunta que se segue: e onde está nisto a singularidade?
Moral da história: não somos cada um de nós um ser único e especial? A minha singularidade está naquilo que sou, que tenho, que professo, que penso, que digo ou que sonho. E é por isso que não há mais nenhuma igual a mim. Com os meus defeitos e as minhas qualidades, é o que temos. E quem não gosta, deita-se ao lado. Certo?

Comentários

Olá!
Gostei muito do seu blog, super interessante...
t+

Mensagens populares deste blogue

A boa filha à casa torna..

... mesmo que depois de um interregno de quase 3 anos.
Podia contar a história daquela que foi ali comprar tabaco e nunca mais apareceu. Poupo-vos o melodrama. No meu caso, é mais a história daquela a quem a vida se voltou de pernas para o ar, que sem saber como nem porquê, vim parar ao médio oriente e já por aqui ando há quase dois anos. 
Nos entretantos, traí o blogger com o Wordpress. Relações modernas. Nada de mais. É que lá estava mais à vontade para falar da vida de emigrante. Mas, não há amor como o primeiro [dizem], bateu uma saudade imensa. Vim aqui de soslaio, só naquela de ver se ainda sentia a química. Nem de propósito ser o primeiro dia do ano e, tal e qual uma ressacada, não resisti em reacender a chama.
Se é para toda a vida, até que a morte nos separe? Não sei. Talvez. Quem sabe. Até agora estamos a ganhar ao José Carlos Pereira e à Liliana Aguiar no junta-separa.

Achei que o corte de cabelo da Letizia merecia o meu regresso..

Se isto não é um exemplo de modernidade, não sei o que lhe chamar. A rapariga não é só a rainha de Espanha, é uma mulher moderna. E como mulher moderna que se preze, cuida da sua imagem. E só por esse gesto de corte com o tradicional e o correcto, só posso aplaudir a atitude. Já não posso dizer o mesmo da magreza. Num momento em que se apela ao fim da magreza extrema como sinónimo de beleza, num momento em que se defende um corpo saudável, ela aparece com as costas a descoberto.. e não consigo pensar em nada de positivo nesta imagem.

O bolo de côco que parece uma nuvem!

É que este vai já ser feito, nem vou esperar por dias melhores. Mesmo sem vontade nenhuma de ir pegar na batedeira, vou fazer-me à vida, porque este amigo está a fazer-me salivar, tal e qual os cães de Pavlov. Pronto, é desta que a manutenção das linhas redondas do abdómen se mantêm. Estou desgraçada..


a receita deste tentação hiper-calórica está aqui.