20.6.13

E nem todos os dias são maus dias..

Por cá também temos os bons. Hoje, a boa noticia por que esperávamos há semanas. Uma luzinha ao fundo do túnel, passou de fraquinha a máximos ligados e já se vai compondo a vidinha aqui da família.
Não há mal que sempre dure, dizem.. e eu assino em baixo.
O bom destas coisas é que nos levantam a moral e nos fazem encarar a vida com outro animo. Quando o puzzle começa a fazer sentido e a compor-se, até parece que andamos mais depressa. Andámos muito tempo encalhados com a peça errada, às voltas em tentativas frustradas de acertos. Hoje, a peça certa encaixou e estamos prontos para continuar.

10.6.13

mudar de ares.



É o tratamento que esta casa vai ter dentro de alguns dias. Ou não me chame eu Rita.

Mamã..

-Diz!
-Vou descalçar as chinelas -diz ela em surdina para não acordar o irmão, que dorme- porque já me estão a fazer aflição.. quer dizer, não estão, elas são giras, não me magoam.. mas sabes o que é? É que eu queria brincar de joelhos e as chinelas não me deixam.. deixas mamã? Deixas-me tu descalçar as chinelas?
-Deixo, filha.
-Ok.

(a necessidade que esta miúda tem de explicar tudo.. não seria mais fácil descalçar e pronto?)

4.6.13

Raios te partam!

Duas pessoas em dois dias? 
A serio?
.. Estou demasiado desolada para contestar. Tu não prestas, morte.. Tu não prestas!

3.6.13

O meu amor fez anos



Já foi na semana passada, mas o atropelo dos dias, às vezes, não permite que este blog se mantenha actualizado. O meu amor mais velho fez anos. Como ele diz, está como o vinho do Porto. E eu concordo. O andamento rápido para os entas está a amadurece-lo bem. Sou uma sortuda.. Vivo com um jeitoso de se lhe tirar o chapéu, que para além de ser um homem jeitoso, é, acima de tudo, um homem bom, grande de coração. Não existe a perfeição, mas ele anda lá perto! 
Parabéns, meu amor. ❤

{o bolo é feito por mim.. De-li-ci-o-so!}

A propósito do ultimo post..

.. a vida tem destas coisas. Hoje estamos, amanhã (ou até mesmo daqui a bocado) já não. Os últimos suspiros são a passagem. A vida é incrivelmente maravilhosa. A dor e a saudade que a morte provoca são uma verdadeira tortura. Como é possível que, uma pessoa cheia de vida pela frente, desapareça de um momento para o outro? A bofetada é tão forte que ficamos a bater mal. Não é a vida que é ingrata. É a morte que nos leva as pessoas. Para longe da vista. 
Só nos conforta a ideia de que partem para um sítio melhor.
A vida é maravilhosa. A morte é que é estúpida, inesperada e dolorosa. A vida é maravilhosa. A morte é que é uma merda.