30.4.12

É mais ou menos isto.


Sinto-me uma melancia. Que não anda, rebola.

semana nova

Ando tão cansada, mas tão cansada, que não vos passa pela cabeça. O corpo parece ter sido tomado por uma brigada de ferro e sinto-me pesada, tenho aquele andar de mulher grávida, de perna entre-aberta, pendendo ligeiramente para a frente. Não consigo dormir bem à noite, não consigo andar bem durante o dia e embora saiba que são males menores da minha condição, é muito chato andar assim.

Acabam de me tocar à campainha. Era o senhor da DHL, com a encomenda que fiz a semana passada. Biberons, aquecedor de biberons, porta-biberons termico, tudo pelo preço que me custaria só o aquecedor aqui em Portugal. Realmente vivemos no país da roubalheira.
Embora seja de uma marca inglesa, Tommee Tippee, já se vai encontrando quem a venda em Portugal, a preços e-xor-bi-tan-tes! E como o site inglês não faz expedições para fora do reino unido, tive de encomendar num site italiano, muito embora ainda a diferença de preço fosse alguma, já compensava bastante.
Agora tenho vontade de ir à loja ali em Faro, mostrar a factura à snob da empregada e dizer-lhe que enquanto houver a santa internet, não compro lá uma fralda.

28.4.12

...


ainda com aquele sentimento de inquietação, que nos faz ponderar todos os prós e todos os contras de fazer as malas e zarpar. sempre com a certeza de que, onde quer que estejamos, se estivermos juntos, estaremos felizes. mudanças avizinham-se. não para breve, mas já se começam a sentir mais possíveis.
bom sábado, pessoas.

27.4.12

e ontem cá em casa, fomos os três lagartos.

De vez em quando sabe bem que pai e filha partilhem dos gostos futebolísticos da senhora mãe. E ficaram tristonhos porque o Sporting não passou. Mas foi só por dez segundos. Depois mudámos para a Santinha da Luz e a coisa voltou à normalidade.

é.


andamos tentados a mudar.

Mudar de casa, quiçá de cidade. Vontade não nos falta, falta-nos o resto. As oportunidades, o lugar-seguro, a estabilidade [ou lá como se chama a efémera certeza de que está tudo como deve de estar]. Andamos cansados disto, de um quadro que não tem horizonte pintado, sem grandes perspectivas de daqui a cinco anos estarmos na mesma. E não estamos mal, mas não estamos seguramente confortáveis. Já não nos prendem coisas como os amigos de sempre, ou a tranquilidade, ou os dias de sol. As nossas razões já se prendem com um futuro que queremos ver mais risonho e que não sabemos como torná-lo possível. A ser concretizado a médio-prazo, não sei como vou conseguir deixar o meu Algarve e rumar a outras paragens. Mas que é um mal necessário, é.

26.4.12

Time Lapse


Um holandês teve a ''paciência'' de filmar a sua filha durante 12 anos. O resultado é este time lapse absolutamente delicioso.

fun


repeat, and repeat, and repeat. I'm in ♥ with this music.

A manhã da Rita

Fui fazer o teste de tolerância à glicose. Depois de me tirarem sangue de um braço, bebi 75ml de uma coisa que era açúcar com agua e sabor a limão. Em jejum. Do piorzinho que se pode beber logo às nove da manhã. Esperei uma hora, nova colheita. Esperei mais uma hora, nova colheita. Resultado: uma fome descomunal, os braços parecem coadores e um enjoo como não sentia desde os primórdios desta gravidez. Agora vou ali fazer um almoço reforçado para a mãe, princesa e piolho.. e talvez dormir o resto da tarde.

25.4.12

o dia da preguiça, hoje

Nem todos fazem gazeta ao trabalho, que este país tem de produzir para se manter de pé. O marido foi trabalhar, as princesas da casa ficam na cama até mais tarde e andam com o corpo carregadinho de preguiça. Um feriado, a meio da semana, quebra o ritmo da pequena. Ontem, queríamos a companhia dela até um bocadinho mais tarde e às nove e meia da noite já andava a cair aos pedaços, de tanto sono. Hoje de manha, ainda não eram oito horas e já andava às voltas na cama de olhos abertos. Enfim.. pudesse eu e já tinha emborcado três litros de café goela abaixo.

24.4.12

isto faz o meu estilo #8


Fiz umas figurinhas de parva, admito..


.. mas estou [finalmente!] no caminho da salvação. Sabem quando achamos que tudo o que estávamos a pensar acerca de determinada pessoa, seria um bocadinho fruto da nossa tendência para exagerar? Pois, eu convenci-me disso. Que depois das ausências, no fundo até poderia haver uma desculpa ou uma justificação muito forte. Parva que sou. E apercebi-me disso mesmo a tempo de me dar uma de madre Teresa e desatar a perdoar atitudes a tudo o que é gente. Ontem, depois de mais umas revelações fantásticas (publicas, aliás!) que fiquei a saber, mais uma vez não fazemos parte dos planos de quem julgávamos ser amigos. Literalmente fomos trocados. Sim, e podem dizer que é dor de corno e ciume e julgar-me como quiserem. A mim, sempre me ensinaram que quem não se sente.. e pronto, senti-me. Portanto, depois do choque, limpei a lagrimazita de comoção e decepção que se me assombrou no olho e decidi colocar uma pedra no assunto. Fui. Tenho mais que fazer com a minha vida do que ficar à espera que as pessoas se comportem como eu o faria.

fui uma boa menina

Fui ao shopping com uma quantia em mente para gastar. Gastei pouco mais de um terço do que tinha planeado. Ou ando muito poupadinha, ou então não sei o que se passa comigo.

23.4.12

(mood for food)

Ultimamente como que nem uma lontra.. a minha obstetra diz que assim perco a compostura dos primeiros meses. Mas eu tenho fome, gente. Daquelas bem fortes.

voltei, voltei..

.. sabem sempre a pouco estes dias. De volta à rotina, o marido de volta ao trabalho, as coisas mais compostas por esta casa, a pequena a recuperar da segunda (sim, que isto quando ataca é em modo bis!) amigdalite e a barriga a crescer (já não vejo os pés e as parte intimas para mim são uma incógnita..).
Já tinha saudades deste canto. Vou ali abrir as janelas, limpar o pó à casa (que é como quem diz, espreitar os vossos cantos) e tomar animo para recomeçar. Já tinha (mesmo) saudades vossas.